Fator Arte por Jim Halley

Abaixo transcrevo o texto que o Jim Halley produziu falando um pouco da Arte presente no TEX Gigante em Cores # 04.

Chamo a atenção dos Pards para o fato já comentado pelo pard Valdivino Otilio Almeida..esta é a terceira vez que a capa de Sergio Zaniboni, é publicada no Brasil..e em uma delas foi como capa pra uma HQ de Civitelli que a Globo publicou a cores..nada a ver com "Chumbo Ardente" embora a trama (na cidade) fosse na mesma linha.


Eu diria que esta arte "pintada" de Zaniboni tem exercido uma influência atemporal..(não sei porquê a Globo a usou como capa de" Cidade Corrompida") mas ela é expressiva..mostra a cena em que Tex domina a situação!

Para pards como eu que conheceu a capa de Sérgio Zaniboni uma década antes de ler "Chumbo Ardente" aquela cena em que Tex ameaça "esquentar os pés" de Morgan Slatery (a mesma da capa) nos faz ver esta edição com um olhar peculiar...no meu caso achei estranha a capa na edição da Globo dos anos 90 acostumado a logo de Galep em praticamente tudo o que era Tex..e desde que li Chumbo Ardente em pb que aquela capa me fascinou..tem a ver com a trama capa do TGEC 4 fundo púrpura...a versão mais bela, muito bem emoldurada com filigranas oitocentistas...a gente olha aquela cena pintada e parece que dá pra sentir a presença de Morgan Slatery a frente...daqui a pouco vou falar da arte nos quadrinhos...coisas além daquelas que Luca Raffaelli comenta na matéria da edição.

Guido Buzzelli também pintou um "Sketch" da trama como capa...embora Tex e o Bandido tenham trocado de posição na capa.

"Desfilando pelo cenário"
Algumas peculiaridades dos desenhos de Zaniboni mostra um cuidado todo especial com os cenários de suas páginas...o terceiro quadrinho da página 25 e o último da página 27 mostram o mesmo lugar no espaço...Zaniboni teve o cuidado em reproduzir os mínimos detalhes de fachadas e letreiros, mas notam-se diferenças na paisagem ao fundo...como se o observador mudasse de leve o ponto de observação entre um desenho e outro...e tem outro exemplo disso!!

O primeiro quadrinho da página 156, retorna aos nossos olhos nos mínimos detalhes embora com um leve "Zoom" da câmera, no primeiro quadrinho da página 161...os apetrechos pendurados, fardos de feno tudo em seu devido lugar..e o mais bonito nestes dois quadrinhos é a sensação ao olhar por entre as frestas das tábuas na parede ao fundo.."quase que dá pra sentir o frescor da noite enluarada fora do estábulo..(obra de arte verdadeira!)...reparem que ao contrário de Galep e seus Cactus e galhos ressequidos com muito pouco verde nas cidades...Zaniboni esculpiu uma das cidades de Tex mais arborizadas que se viu e que isso dá um certo clima pra obra...

Outro detalhe que chama a atenção é que a Cidade que Zaniboni criou é curiosamente "Comercial" demais para os padrões do faroeste Texiano...tem letreiros publicitários pra todo lado como num grande centro...uma disputa visual por clientes...no primeiro quadrinho da página 42 tem um estabelecimento que exibe um letreiro de duas faces e na frente um expositor de anúncios como aqueles que anunciavam o circo do Búfallo Bill..na página 60 primeiro quadrinho tem uma placa bem de "grife" com letrinhas trabalhadas em branco sobre fundo preto..(item meio raro se achar fora do leste, na fronteira, onde mal se sabia ler quem dirá escrever daquele tipo, contudo o perfil das pessoas que pedem ajuda a nossos heróis deixa evidente que aquele é um centro mais comercial que rural)..no primeiro e no segundo quadrinhos da página 74, temos vários estilos de letreiros (em Tex geralmente os desenhistas não usam muitas variações de tipologia em fachadas)...esse cuidado especial com o ambiente fazem este texone ser extremamente singular...e ele está repercutindo mais que os anteriores...pois tem uma "arte" extremamente singular em suas páginas.

Não saia sem comentar no site

Pages