Encontros Texianos - Retrospectiva em canto

ENCONTROS TEXIANOS - RETROSPECTIVA:

Amigos aqui do Face, atenção só um momento.
O Hobby de colecionar gibis, pra uns não tem fundamento;
A quem nos apoia, obrigado, a quem critica, lamento,
pois está deixando de fazer parte, de um mundo cem por cento.
Ler Tex, Zagor, enfim, além de entretenimento;
É leitura que pode crer, agrega conhecimento.

O Fâ Clube Tex Brasil, nascido a poucos anos,
tem como pano de fundo os personagens bonellianos.
Mas a verdadeira razão, o que faz que nos juntamos,
Se reforça a cada evento, unir nosso passatempo a amigos que conquistamos.

O primeiro na Bahia, eu não pude participar;
O motivo muito justo, agora vou explicar;
os 15 anos da filhota, prestes a se realizar,
daí surgiu a ideia dessa data aproveitar,
Num dia o aniversário, no outro dia o encontro,
e o que era ideia de louco, foi uma data a me marcar.

Domingo, um dia fechado, estava frio de lascar,
o baiano Jessé tremia, tremia a não mais parar.
Veio o Wilson Sacramento de SP, o Jim Halley do Paraná, e a simpática família Pedro Bianchi da distante Tangará.

1600 km em dois dias, para ir e retornar,
disseram assim "nós viemos, agora é tu que vai lá"
Respondi está fechado, eu vou ir te visitar.
E assim ficou planejado, o encontro em Tangará.

Além dos que vieram de fora, os gaúchos estavam presentes,
o Valderí Neitzke de São Leo, o Miguel J Zinelli do Alegrete.
O Jesus de Santa Maria, o Emerson e meus parentes,
Se juntaram a outros tantos, que até me foge da mente.

Nesse intervalo de tempo, fomos a capital paulista.
VIAJAR DE AVIÃO? que nada, isso não assusta gremista.
Junto com a minha esposa, que é parceira pra essas coisas,
mesmo sem ler as revistas.

Um agradecimento especial, ao Wilson Sacramento, que acomodou todo mundo em sua casa, e isso por muito tempo.
Encontrei o Edison Bertoncello, vindo lá de Chopinzinho,
com quem travei no desafio das capas, de todos os gibizinhos.

O motociclista Adao Avila, se largou do sul de moto, eta gaúcho arretado.
Se encantou com a gentileza, do seu Marcos Maldonado,
ele e a esposa Dolores, dois texianos estimados,
são excelente pessoas, esse casal adorado.

-Fiz essa retrospectiva, para relembrar nossos encontros passados, fiquem a partir de agora com o MEGA ENCONTRO DE TANGARÁ...

AVENTURA EM BIACHIWOOD.

Dia 22 de janeiro, sexta feira de madrugada,
eu, minha esposa e o Miguel J Zinelli, damos início a jornada,
Ele saiu do Alegrete, botou o pé na estrada,
E eu saí da Capela, com a camioneta lotada. (de gibis, é claro).

Chegamos em Carazinho, logo após o meio dia,
na residencia do pard Edemar, foi grande nossa alegria.
Ele, junto com o Valderí, que é sinônimo de simpatia,
nos receberam com pompas, como a muito não se via.

Eu, a Universina e o Zin, fomos levados a cozinha,
um banquete estava servido (ô fama de comilão essa minha).
Um churrasco nos esperava;
Enquanto o gaiteiro tocava, um sucesso do Teixeirinha.

Depois se largamos na estrada, Zin, Universina, Neimar...
No 2º carro o Valderi, juntamente com o Edemar.
O gaiteiro Leri no outro carro,
saímos cortando barro, no rumo de Tangará.

Aí o tal de GPS, começou nos encrencar,
nos levou a outra estrada, demoramos a nos achar...
Tinha uma ponte quebrada, impossível de passar,
O tempo ia passando, e a noite a nos pegar.

"Onde mora o Pedro Bianchi"? perguntamos a vontade.
Ô lugar ruim de achar, o Passo da Felicidade.
Entramos na mata virgem, onde nem casa não tinha,
até que achamos o refúgio, do Espírito da machadinha.
%0

Não saia sem comentar no site

Pages