Leia KARGA!

Se você não conseguiu ler "em mãos" a edição da revista KARGA! que trouxe nosso amigo José Carlos Francisco e uma super entrevista falando de nosso ranger preferido, chegou a hora de conferir!


*** 



Entrevista de José Carlos Francisco à revista Karga! #2, de Março de 2017



J.C. FRANCISCO, TRADUTOR


É o responsável por passar a português a BD italiana e um dos maiores coleccionadores de fumetti do mundo.


Tem tudo em casa. Tudo. A BD italiana é com ele e, depois de ter conhecido o mestre Bonelli, a sua vida passou de simples colecciona­dor a tradudor de Tex e mais além…


KARGA! – A malta já nem sebe o que são fumetti. Que raio lhe deu para manter viva a chama da BD italiana em Portugal?
José Carlos Francisco – A banda dese­nhada esteve sempre presenre na minha vida. Desde pequeno coleccionei desde o Lucky Luke, Michel Vaillant, Tintin, 0 Mun­do de Aventuras, O Falcão, Condor, Tarzan, Mickey, Homem-Aranha… Em 1980 co­nheci a BD italiana, através do Tex. Fiquei logo fascinado. Ao longo dos anos conheci e privei com editores e autores italia­nos e mais inebriado ficava. Senti-me na obrigação de divulgar com toda a paixão e com todo o conhecimento a BD italiana.


KARGA! – A Itália é central na banda de­senhada, principalmente o já falecido Sergio Bonelli. Chegou a conhecê-lo? Visitou os estúdios?
José Carlos Francisco – Tive o grande prazer e privilégio de o conhecer pessoalmente. Em Outubro de 2002, em Milão, fui apresentado a Ser­gio Bonelli e logo aí nasceu uma empatia difícil de descrever. Naquela ocasião nas­ceu uma amizade entre duas pessoas de gerações o origens diferentes. Com o pas­sar dos anos fomos trocando correspon­dência e regressei a Milão para fortalecer os laços de amizade com Sergio e com o seu filho Davide.


KARGA! – Quanto é que um coleccionador gasta por mês?
José Carlos Francisco - No nosso pais recebemos regu­larmente as edições brasileiras de Tex, Zagor e Julia Kendall e quem coleccionar todos os fumetti, o que é bastante co­mum, gasta em média, por mês, um valor a rondar entre os 40 e os 50 euros. A esse valor pode-se ainda acrescentar mais umas três dezenas de euros por ano para a aquisição dos volumes com o selo da editora Polvo, que publica, em Portugal, excelentes edições especiais de Tex no idioma lusitano.


KARGA! – Os fumetti estão caros, perante a restante banda desenhada. É preciso mais leitores ou melhor divulgação?
José Carlos Francisco – Mais leitores e melhor divulgação estão intimamente relacionados. Há cada vez menos leitores, sobretudo porque as gerações mais novas já não se deixam cativar pela nona arte. Pode-se dizer que no nosso país tem havido cada vez mais e melhor divulgação. Ainda este ano devemos ter outras personagens dos fumetti publicados em Portugal e a um preço mais acessível.


KARGA! – Qual o herói e o livro que mais o marcaram?
José Carlos Francisco – Posso dizer que o Tex foi a personagem que mais me marcou, mítica personagem criada por G. L. Bonelli, em 1948. Uma publicação especial que muito me cativou de imediato: “Pacto de Sangue”, a aventura que narra o casamento do Tex. Passaram-se mais de 35 anos.


KARGA! – Prefere ler em italiano ou as traduções são boas?
José Carlos Francisco – Hoje em dia, e depois de ter aprendido o belo idioma italiano, prefiro o original. Em relação às traduções portuguesas, não posso avaliar porque tenho o grato privilégio de ser o tradutor português dos fumetti.



* (Entrevista publicada originalmente na revista KARGA! #2, de Março de 2017) – Copyright: © 2017 KARGA!


 


Postagem veiculada no site TEX WILLER BLOG, em 07 de abril de 2017!

Não saia sem comentar no site

Pages